• 0_0_0_Blog_TopoBannerWeb_Efinance2017_1170x300px.jpg
  • 0_0_pmkt_janeiro_1300x495px.jpg
  • 0_1_banner_revisa.jpg
  • 0_2_blog_facaparte.jpg

10º Concred reúne cooperativistas do país em Manaus

Líderes cooperativistas de todo o país estiveram presentes ontem (10/9) na abertura do 10º Concred (Congresso Brasileiro do Cooperativismo de Crédito), em Manaus (AM). A solenidade reuniu representantes da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Sescoop, Sebrae, Banco Central do Brasil, Frencoop, Associação Brasileira de Bancos (ABBC), governo e parlamentares do estado.

O secretário Executivo do Banco Central do Brasil, Geraldo Magela, destacou o papel das instituições financeiras cooperativas no acesso a produtos e serviços às comunidades que ainda não estão integradas ao Sistema Financeiro Nacional. “As cooperativas de crédito auxiliam o Banco Central na missão de manter o poder de compra da moeda nacional e ajudam a atingir um sistema financeiro competitivo e mais inclusivo.”

A palestra Magna da noite foi ministrada por Andrew Savitz, reconhecido mundialmente como um líder em sustentabilidade, autor dos best-sellers The Triple Bottom Line, e Talent Transformation and the Triple Bottom Line, esse último considerado a maior referência em recursos humanos e sustentabilidade na atualidade.

Acompanhe a transmissão ao vivo do evento pela internet. Acesse: www.confebras.com.br/concred

Sobre o Concred

Realizado a cada dois anos, o Congresso, que acontece até amanhã (12/9), é realizado pela Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito (Confebrás) em parceria com o Sicoob Norte e este ano traz como tema central “Integração do Sistema Nacional de Crédito: O Melhor Caminho”.

Minuto Cooperativo: Cota Parte

No mundo cooperativo os associados são integrantes de uma sociedade formada para prestar serviços que atendam às suas necessidades. A obrigação do contrato societário é que haja, por parte dos cooperados, contribuição de bens ou serviços em proveito comum no campo de suas atividades econômicas.

Desta forma, cada associado possui a condição de dono da cooperativa em que está inserido. Por meio do capital empregado, o sócio se responsabiliza pelas operações da sociedade perante o mercado, tendo direito também a parte desta sociedade. Dai o termo cota parte. É a parte de um todo que cabe a cada um dos associados.

Resumindo, o sócio cooperado é dono da sociedade juntamente com seus pares, possui capital empregado e responsabilidade com relação a terceiros, celebra contrato societário e obriga-se a contribuir com bens e serviços, para o exercício de uma atividade de proveito comum. Ou seja, na estrutura cooperativista, o associado assume dupla qualidade, pois se torna, ao mesmo tempo, dono e tomador de serviços.

Fonte: Radar Bancoob

Afinal, o que são cooperativas de crédito?

Por Danylo Martins

Você já deve ter ouvido falar, mas afinal, o que são as cooperativas de crédito? Na prática, são instituições financeiras regulamentadas pelo Banco Central (BC) assim como o seu banco, porém com diferenças no modelo de atuação, que é compartilhado entre os cooperados ou associados. E a adesão é livre.

Conversamos com Francisco Silvio Reposse Jr, diretor do Sicoob (Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil), que conta com mais de 2 milhões de associados, para entender como funcionam as cooperativas.

Veja, a seguir, os principais pontos que você precisa saber:

Quem pode participar?

Pessoas físicas e jurídicas, que comprovem nome limpo e apresentem documentação básica. No caso das pessoas físicas, ao se associar a uma cooperativa, é preciso ter em mãos, por exemplo, RG, CPF, comprovante de residência, comprovante de renda. O processo é igual a abrir conta em banco.

Como escolher uma cooperativa?

Da mesma forma que você opta por uma agência. Simples assim. Quanto mais perto de casa, melhor. Ou quanto mais próximo do trabalho. Como as cooperativas são auditadas, a escolha depende da necessidade do cliente.

E se minha empresa tem cooperativa?

Como empregado de uma empresa que possui cooperativa, você pode se associar. Basta procurar todas as informações na própria empresa com colegas de trabalho ou com o departamento de Recursos Humanos (RH).

Como participar?

Para participar, é preciso comprar cotas de capital, o que dá o direito de ser um sócio da cooperativa. Não há um valor fixo, os associados que definem o valor das cotas no Estatuto Social, documento que regula a cooperativa.

Quanto custa?

Em geral, as taxas de juros das operações e as tarifas por serviços são mais baratas do que em bancos. Segundo Reposse Jr, os valores chegam a ser 15% mais em conta.

Quais são os produtos e serviços oferecidos?

Praticamente os mesmos serviços que os bancos garantem em sua prateleira. Há linhas de crédito, como financiamento imobiliário, de veículos, cartões de crédito, seguros, investimentos.

Quais são os cuidados antes de se associar?

É preciso conhecer a cooperativa onde você pretende se tornar associado. Ou seja, visite o local e não acerte nenhum vinculo sem antes se certificar de todos os detalhes, bem como se aquela cooperativa é segura. Outro cuidado é acompanhar as assembleias da cooperativa, afinal você é um dos sócios e seu dinheiro está ali também.

Fonte: Portal Letras e Lucros

Minuto Cooperativo: Sobras

O minuto cooperativo dessa semana traz um importante diferencial das instituições financeiras cooperativas: as sobras. A utilização do termo diz respeito ao resultado positivo obtido no fim de cada exercício. No modelo de gestão cooperativo o associado participa da distribuição dessas sobras, já que também é dono do negócio.

O objetivo das sociedades cooperativas não é a geração de lucros e sim ter condições de oferecer serviços aos associados com o capital que foi investido. Por este motivo, a Lei 5.764 de 1971 prevê que o excedente que retorna ao associado deve ser proporcional às operações por ele realizadas, exceto o dinheiro depositado como capital no momento em que entrou na Cooperativa.

Portanto, o uso do termo sobras se refere a uma regulação específica da destinação dos resultados finais das cooperativas, cujo parâmetro geral, é o volume de operações de cada associado, enquanto o lucro tem relação com o capital investido. 

Minuto Cooperativo: Governança Cooperativa

Para dar continuidade a nossa série, hoje falaremos sobre um aspecto importante a respeito das diretrizes que regem as instituições financeiras cooperativas: a Governança Cooperativa, que consiste em um conjunto de processos, políticas, leis e regulamentos que conduzem a maneira como uma Cooperativa é dirigida, administrada ou controlada, permitindo aos cooperados definir e assegurar a execução dos objetivos da mesma.

Ao contrário do que ocorre nas grandes empresas privadas, as cooperativas financeiras são administradas por seus associados, que são os “donos do negócio”. Cada associado tem direito a um voto, independentemente do valor de seu capital. Outra característica desse tipo de organização é que não há objetivo de lucro. As metas devem ser de longo prazo, uma vez que o propósito principal é atender às necessidades de seus proprietários. Neste contexto, o termo governança cooperativa se aplica ao modo de administração das cooperativas financeiras, que se utilizam de boas práticas de governança baseadas nos princípios norteadores do cooperativismo.

JoomShaper