• 0_0_0_Blog_TopoBannerWeb_Efinance2017_1170x300px.jpg
  • 0_0_pmkt_janeiro_1300x495px.jpg
  • 0_1_banner_revisa.jpg
  • 0_2_blog_facaparte.jpg

Greve dos bancários não atinge cooperativas de crédito

A greve dos bancários, que teve início ontem (19) em todo país, não atinge a abertura e as operações das cooperativas de crédito, que se tornam uma das alternativas àqueles que precisam realizar serviços financeiros e estão enfrentando dificuldades devido à paralisação da categoria. Os clientes de instituições bancárias podem pagar contas de água, luz, telefone, boletos bancários, carnês, IPVA e todos os tributos com códigos de barra que ainda estejam no prazo de vencimento em qualquer ponto de atendimento das cooperativas de crédito.

O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob), maior instituição financeira cooperativa do país, disponibiliza mais de 2 mil pontos de atendimento para tais serviços, os quais funcionam normalmente, de segunda a sexta-feira. Apesar de oferecerem os mesmos serviços dos bancos, as cooperativas de crédito não são vinculadas aos sindicatos dos bancários. Além disso, elas têm como principal objetivo a prestação de serviços aos seus associados, donos do negócio.

As cooperativas de crédito oferecem um amplo portfólio de produtos e serviços e proporcionam o acesso a recursos financeiros especiais para empréstimo, investimento e capital de giro, com taxas e juros mais acessíveis. Também oferecem seguros, consórcios, crédito consignado, poupança, fundos de investimento, aplicações, previdência, cartões - Cabal, Maestro, Mastercard e Visa -, entre outros produtos e serviços.

Sicoob vence prêmio efinance 2013 em três categorias

O Sicoob foi vencedor do XII Prêmio efinance. O evento de premiação foi realizado na última quinta-feira (13), em São Paulo, e reuniu representantes de instituições financeiras do país. O Sistema recebeu premiações em três categorias: Infra de TI para cooperativas de crédito, com o case iniciativas sustentáveis de TI; Core System-Crédito Corporativo, com o case Otimizar Negócios; e Mobile banking, com o case Mobile Banking do Sicoob.

O Prêmio e-finance, concedido pela revista Executivos Financeiros, é o mais conceituado pela comunidade de Tecnologia da Informação do setor financeiro. Tem o objetivo de destacar as mais inventivas e inovadoras implementações, soluções e aplicativos nas áreas de TI e Telecom, bem como reconhecer o talento e a competência dos profissionais das corporações que tiveram as soluções aplicadas em 2012 até o início do ano corrente.

Participaram da entrega do prêmio o presidente do Sicoob Confederação, José Salvino de Menezes; o diretor de Negócios, Abelardo Duarte de Melo Sobrinho; asuperintendente de Negócios, Daniela Pinheiro Pimenta Cancian; o diretor de Desenvolvimento organizacional, Marden Marques Soares; o diretor de TI, Ricardo Antônio de Souza Batista; o superintendente de Tecnologia da informação, Dênio Álbaro de Lima Rodrigues; o superintendente de Sistema da Informação, Antônio Cândido Vilaça Junior; o gerente de Processamento e Armazenamento de Dados, Marcos Vinícius dos Santos Feitosa; o gerente de Sistemas de Informação, Luiz Cândido Severino Júnior; o gerente de Sistemas Corporativos, Edson Rodrigues Lisboa Júnior; o presidente do Bancoob, Marco Aurélio Almada; o diretor de Operações, Ênio Meinen; a gerente de Marketing, Andrea Hollerbach Athayde; e representantes das áreas de TI das centrais.

De acordo com o diretor de TI do Sicoob Confederação, Ricardo Antônio de Souza Batista, o prêmio demonstra a assertividade do direcionamento tecnológico adotado pelo Sicoob. “O plano contínuo de investimento em tecnologia é necessário para automatizar, cada vez mais, os processos com a adoção de soluções sustentáveis, potencializar os canais de atendimento e produtos, além de proporcionar mais comodidade e facilidade para os associados. A premiação demonstra o reconhecimento do Sicoob perante o mercado financeiro nacional”, diz. 

Veja como declarar o IR 2013

As alterações nos procedimentos de preenchimento da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2013 (relativo ao ano de 2012) foram divulgadas na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União. O processo está cada vez mais simplificado, no entanto, é preciso que o contribuinte redobre a atenção na hora de enviar as informações para o órgão de fiscalização.

A entrega começa às 8h (horário de Brasília) do dia 1º de março, e termina às 23h59min59s do dia 30 de abril. O contribuinte que não declarar no prazo, terá que pagar multa de pelo menos R$ 165,74 pelo atraso, podendo chegar a 20% do valor do imposto de renda devido.

Na declaração deste ano, que se baseia no que foi recebido em 2012, um rendimento mensal de até R$ 1.637,11 está isento do IR. Entre R$ 1.637,12 e R$ 2.453,50, a alíquota é de 7,5%. Já os ganhos de R$ 2.453,51 a R$ 3.271,38 estão sujeitos a uma alíquota de 15%, enquanto que os de R$ 3.271,39 a R$ 4.087,65 serão tributados em 22,5% e as rendas acima de R$ 4.087,65, em 27,5%.

Entre os dependentes, passou a ser possível incluir um menor de baixa renda de até 21 anos, cuja educação seja de responsabilidade do declarante ou de quem ele tenha a guarda judicial, além de uma pessoa incapaz ou de quem o declarante tenha a tutela judicial. A dedução por pessoa dependente na declaração passou de R$ 1.889,64 para R$ 1.974,72.

Para fazer a declaração é necessário baixar a versão atualizada do programa IRPF 2013 que está disponível no site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br). Ele pode ser utilizado em qualquer sistema operacional, desde que no computador esteja instalado o programa virtual Java. Também é possível entregar, via disquete, nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal. A entrega do documento, em formulário, foi extinta em 2010.

Para compor a declaração, os associados do Sicoob podem acessar o extrato consolidado de encargos de operação de crédito 2012 por meio do mobile banking.

Quem deverá realizar a declaração em 2013:

1- Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 24.556,65

2- Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil

3- Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas

4- Relativamente à atividade rural:

a) obteve receita bruta em valor superior a R$ 122.783,25.
b) pretenda compensar, no ano-calendário de 2012 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano calendário de 2012;

5 - Teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil.

6- Passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro;

7- Optou pela isenção do Imposto sobre a Renda incidente sobre o ganho de capital proveniente da venda de imóveis residenciais por ter aplicado o capital na aquisição de outro imóvel localizado no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da venda do primeiro imóvel.

Quem será dispensado da declaração:

1- Apenas na hipótese prevista no inciso V do caput e que, na constância da sociedade conjugal ou da união estável, tenha os bens comuns declarados pelo outro cônjuge ou companheiro, desde que o valor total dos seus bens privativos não exceda R$ 300 mil.

2 - Caso conste como dependente em Declaração de Ajuste Anual apresentada por outra pessoa física, na qual tenham sido informados seus rendimentos, bens e direitos, caso os possua.

Sicoob em SP não abre no feriado de hoje

Não haverá atendimento nas cooperativas e Postos de Atendimento (PAs) Sicoob em São Paulo, nesta sexta-feira (25/1), em função do feriado que comemora o aniversário da cidade. O associado que tiver contas a pagar ou transação financeira para realizar pode utilizar os canais alternativos de atendimento, como caixas eletrônicos, celular e internet, além dos correspondentes do Sicoob (farmácias, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados).

Também é possível agendar o pagamento das contas de consumo (as que têm código de barras) nos próprios caixas automáticos ou nos correspondentes. Os boletos bancários de cooperados cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos por meio do débito autorizado.

As contas de água, luz, telefone e TV a cabo e os carnês que vencerem no dia do feriado poderão ser pagas no dia útil seguinte, segunda-feira (28/1), sem incidência de multa. Os tributos, normalmente, já estão com a data ajustada pelo calendário de feriados (federais, estaduais e municipais).

Veja aqui as operações que o associado pode realizar nos Canais Alternativos de Atendimento Sicoob.

Imposto de Renda 2013 traz mudanças

Na semana passada a Receita Federal divulgou diversas alterações para a declaração do Imposto de Renda (IR). A partir de 2014 o contribuinte, pessoa física, que tiver uma única fonte de renda e optar pelo desconto padrão, não precisará entregar a declaração do IR, ano calendário 2013.

Com a novidade, a declaração será preenchida previamente pela Receita Federal, que posteriormente apresentará ao contribuinte as informações para confirmação ou não dos dados contidos no documento. Para o contribuinte pessoa jurídica a declaração continuará da mesma forma como é atualmente.

No entanto, as novidades não valem para o acerto de contas de 2012, que deverá ser entregue de 1º de março a 30 de abril.

As alterações que terão mais impacto no contribuinte este ano são em relação ao valor que tornará a entrega obrigatória e à correção dos valores de cálculo da tabela progressiva anual, atualizadas em 4,5%.

Terá que apresentar a declaração quem teve renda total acima de R$ 24.556,65, no passado. Esse valor inclui: pró-labore, salário, aposentadoria, previdência privada, pensão alimentícia, atividades rurais e alugueis, entre outros.

O limite para o desconto-padrão na declaração simplificada – em que todas as deduções legais com saúde, educação, dependentes, por exemplo, são substituídas pelo desconto de 20% da renda bruta, será de R$ 14.542,60. O limite de isenção também teve correção de 4,5% para R$ 19.645,32.

A Receita Federal informou também que, apesar do forte crescimento na venda de tablets e smartphones no país, ainda não será disponibilizada uma versão do programa do IR para estes aparelhos em 2013. Será disponibilizado apenas para computadores pessoais.

Cooperativas de crédito crescem mais que bancos, diz Valor Econômico

Por Mônica Izaguirre | De Brasília

O ano de 2012 foi bom para as cooperativas de crédito no Brasil. Os ativos dessas instituições romperam a marca histórica da centena de bilhões, alcançando R$ 103,15 bilhões em setembro, segundo consolidação dos balanços enviados no último trimestre ao Banco Central. Com mais de seis milhões de associados, linha ultrapassada em junho, e um estoque de empréstimos e financiamentos que cresceu mais de 600% nos últimos dez anos, se formassem um banco, o conjunto das cooperativas corresponderia ao oitavo maior conglomerado financeiro do país em ativos totais. Em rede própria de atendimento, seriam o terceiro maior conglomerado, com mais de 5 mil pontos atingidos em novembro, atrás apenas de Banco do Brasil e Bradesco.

A participação nas operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) está em torno de 2%. O percentual sobe em alguns nichos, como financiamentos rurais com recursos livres e empréstimos mediante desconto de títulos, dos quais elas respondiam, respectivamente, por 17,5% e 8,6% do saldo em junho.

Os números foram fornecidos pelo diretor de relações institucionais do BC, Luiz Edson Feltrim, em entrevista ao Valor. Os dados mostram que em 2012, até setembro, o cooperativismo cresceu num ritmo mais forte que o do conjunto do SFN, tanto em ativos totais quanto em saldo de operações de crédito. A velocidade de avanço do patrimônio líquido e dos depósitos captados também superou a média.

Considerando-se apenas as instituições bancárias, universo do qual fazem parte como captadoras de depósitos à vista, as cooperativas também vêm crescendo mais rápido que o conjunto já há vários anos. Com isso, a participação no sistema tem aumentado em relação a diversos indicadores.

O segmento tem crescido em operações, rede e universo de depositantes (necessariamente os próprios associados) apesar da queda do número de cooperativas singulares (que não são cooperativas de cooperativas, estas chamadas de cooperativas centrais).

Após atingir o número de 1.427 no fim de 2007, ano em que ainda houve aumento de cooperativas, a quantidade de instituições caiu nos anos seguintes. Houve redução mesmo com o surgimento de novas cooperativas, pois as que desapareceram foram em maior número. No fim de setembro de 2012, restavam em atividade 1.231, 196 a menos que no fim de 2007.

Um "saudável" processo de concentração para ganhar escala explica o descompasso entre a evolução do número de cooperativas singulares e o crescimento dos demais indicadores do segmento, disse Feltrim. Ao fazer tal afirmação, ele apresentou um levantamento sobre os motivos de desaparecimento de cooperativas entre 2010 e setembro de 2012.

Nesses quase três anos, 172 instituições deixaram de existir, provocando redução líquida de 135 no número total de cooperativas. Precisamente 89, mais da metade, sumiram porque foram incorporadas a outras, informou o diretor do BC, destacando que há um esforço para ganhar escala e, assim, reduzir custos.

Somente três saíram do mercado porque sofreram liquidação extrajudicial pelo BC nesse período. Os cancelamentos de ofício, que somaram 21, também são iniciativa do BC. Mas o diretor explicou que referem-se a cooperativas que desistem de operar sem avisar antes a autoridade supervisora, que vai atrás para saber o que houve, por exemplo, quando deixa de receber relatórios contábeis obrigatórios e regulares.

O restante das 172 saiu do mercado por decisão dos próprios cooperados, mediante processos como liquidação ordinária, mudança de objeto social, extinção, ou por falência (um caso apenas desde 2010).

Chefe do departamento de organização do sistema financeiro por mais de 12 anos, até maio de 2011, Luiz Edson Feltrim integrou o grupo de especialistas do governo cujos estudos se desdobraram, desde 2003, numa profunda mudança no arcabouço normativo do crédito cooperativo no Brasil. Na opinião do diretor, as regras prudenciais adotadas, semelhantes às aplicáveis aos bancos, como a limitação de operações em função do capital, foram um importante fator de crescimento sustentado do segmento nos últimos anos.

Fonte: Valor Econômico - em 08/01/2013.
JoomShaper