• 0_0_pmkt_janeiro_1300x495px.jpg
  • 0_1_banner_revisa_blog.jpg
  • 0_2_blog_facaparte.jpg

Sicoob finaliza 2016 com 18,2% de crescimento em patrimônio líquido

Com aumento de 7,2% no resultado financeiro, o Sicoob contabilizou R$ 2,55 bilhões contra R$ 2,38 bilhões em 2015, enquanto os ativos totais somaram R$ 76,3 bilhões, um crescimento de 32,5% em relação ao ano anterior. O patrimônio líquido alcançou R$ 16,4 bilhões, um incremento de 18,2% ante R$ 13,8 bilhões registrados em 2015.

No período, as operações de crédito apresentaram variação positiva de 15,4%, passando de R$ 33,3 bilhões para R$ 38,4 bilhões. Os financiamentos rurais e agroindustriais totalizaram R$ 11,5 bilhões, resultado 17,8% superior a 2015. A taxa média de juros praticada pelas cooperativas do Sicoob no crédito pessoal foi de 2,27% ao mês (30,91% ao ano), enquanto no mercado a média foi de 3,65% ao mês (53,75% ano).

Em depósitos totais, o Sicoob registrou acréscimo de 32,5%, alcançando R$ 47,8 bilhões versus R$ 36,1 bilhões referente ao ano anterior. Nos depósitos à vista a expansão foi de 25,8% e nos depósitos a prazo foi registrado crescimento de 37,2%. Já nos depósitos de poupança a evolução foi de 15,3%.

O Sicoob remunerou em R$ 797 milhões o capital social dos cooperados. O Capital Social é parte do patrimônio de uma cooperativa financeira e é composto pelo somatório de todas as quotas-partes dos cooperados.

Os cooperados também foram beneficiados com maior alcance do Sicoob e aumento dos pontos de atendimento, totalizando 2.551 agências, sendo que em 198 municípios o Sicoob é a única instituição financeira presente. Ao todo são 1,2 milhão de brasileiros que não eram reconhecidos pelo sistema bancário tradicional, elevando a inclusão financeira por meio do cooperativismo financeiro.

A taxa média da captação de recursos (remuneração do depósito a prazo) do SFN, em 2016, foi de 9,5% a.a. (ao ano), enquanto a do Sicoob foi de 13,6% a.a., diferença de 4,1 p.p. (ponto percentual). Já a taxa média das operações de crédito (concessões ao cliente/cooperado) do SFN, foi de 32% a.a., em contrapartida, a do Sicoob foi de 27,4% a.a., diferença de 4,6 p.p.

Entre as conquistas de 2016, destaca-se a filiação da Central Sicoob UniMais e adesão de seus 40 mil cooperados. A movimentação integrou ao Sicoob nove cooperativas singulares; 52 pontos de atendimento localizados nas mais diversas cidades do interior paulista, litoral e também grande São Paulo, além de R$ 1,3 bilhão de ativos totais.

O Sicoob também foi reconhecido como o 51º maior grupo empresarial do país pelo anuário “Melhores e Maiores” da Revista Exame. O ranking tem como base as informações financeiras de grandes empresas do país, por meio de levantamento de demonstrações contábeis com o parecer de auditores independentes.

Outro destaque de 2016 foi a criação da Seguradora Sicoob que atuará nos segmentos de vida e previdência. Com expectativa de faturamento de R$ 200 milhões em 2017, a nova companhia é resultado de uma sociedade com a Mongeral Aegon.

O Sicoob ainda contribuiu para a redução do desemprego no País, movimento contrário à realidade brasileira, ao expandir em 6,2% os postos de trabalho. Atualmente o Sicoob gera cerca de 35 mil empregos diretos em sua área de atuação.

Caminhando conforme as tendências do mercado financeiro, foram investidos R$ 180 milhões em tecnologia durante o ano de 2016. Além disso, as transações em canais digitais já representam 65% do total de operações do Sicoob, denotando os avanços tecnológicos do Sistema.

A era tecnológica ganha destaque na 28ª Revista Sicoob

Disponível também em versão digital, a nova edição da Revista Sicoob trata sobre tendências, tecnologia e novos hábitos do mundo em que vivemos.

A velocidade da informação está transformando a relação entre pessoas e máquinas e esses avanços podem afetar o comportamento e o convívio em sociedade. É sobre isso que a matéria de capa trata e envolve as demais reportagens desta edição. Afinal, para onde estamos indo?

O professor que se tornou uma referência na discussão sobre os seres humanos, Clóvis de Barros Filho, participou de um bate-papo com a revista Sicoob, no qual ele fala sobre felicidade, riqueza e inquietações humanas nessa nova era.

A revolução digital, as profissões do futuro e as alternativas para fazer seu dinheiro render são temas de destaque. A revista também mostra novas tendências comportamentais e de consumo, com as matérias sobre publicidade conectada e a experiência de fazer um intercâmbio.

A revista digital está disponível para as plataformas iOS e Android. Baixe hoje mesmo a nova edição da revista.

Nova edição da Revista Sicoob

A nova edição da Revista Sicoob já está disponível na versão digital. Para ter acesso ao conteúdo, é necessário fazer o download do aplicativo na Apple Store e Google Play.

A matéria de capa da nova edição da Revista traz como tema a economia compartilhada e mostra como as startups do mercado colaborativo estão conquistando cada vez mais espaço entre os consumidores.

A publicação apresenta uma matéria exclusiva com Nathália Arcuri, responsável por um dos canais de conteúdo mais acessado da internet brasileira para quem quer investir e fazer o orçamento caber no bolso, o “Me Poupe!”.

Traz também uma matéria sobre educação corporativa com a opinião do escritor do best-seller, o Monge o Executivo, James Hunter. Apresenta ainda uma reportagem sobre os aplicativos que estão mudando o comportamento das pessoas em todo mundo.

Sicoob é reconhecido pela liderança em tecnologia com prêmios no efinance 2016

Aplicativo mobile banking e plataforma digital para crédito rural da instituição financeira cooperativa são destaques em evento do setor

A maior instituição financeira cooperativa do país, o Sicoob, conquistou prêmios na 16º edição do efinance com os projetos de mobile banking e a nova plataforma para concessão de crédito rural. A cerimônia realizada em São Paulo, na noite de 22 de junho, teve como objetivo identificar e apontar os projetos mais importantes na área de tecnologia da informação e comunicação implementados pelas organizações financeiras do país.

O case Mobile Banking Sicoob foi eleito o melhor em sua categoria devido a sua eficiência e soluções inovadoras. “Uma em cada três operações realizadas em nosso sistema foram por meio do dispositivo móvel no último mês. O cooperado encontra em seu bolso os mesmos recursos disponíveis do internet banking e das agências, com mais de 100 possibilidades de transações”, ressalta Ricardo Antonio de Souza Batista, diretor de Tecnologia da Informação da instituição.

O aplicativo mantém também uma alta aprovação dos usuários. Sua nota de satisfação atingiu o índice de 4,7 de em um total de 5 nas lojas virtuais da Apple e Google, superando os números das aplicações dos grandes bancos de varejo. Este cenário se explica devido à simplicidade do uso atrelada às constantes inovações do Sicoob para acompanhar as novidades de cada dispositivo. Um exemplo é o sensor de biometria para dispositivos com sistema operacional iOS e Android que facilitam o reconhecimento do associado durante o login e substitui o uso da senha.

Já a nova Plataforma de Crédito Rural levou o título de melhor case na categoria de crédito rural. Com a plataforma, o funcionário da cooperativa pode realizar a aprovação de crédito rural em qualquer lugar, remotamente, a partir de dispositivos móveis como smartphones e tablets. “Isso proporciona mais agilidade e menos burocracia, fatores que contribuem para a chegada dos recursos financeiros a produtores rurais alocados em regiões mais afastadas dos grandes centros urbanos no país”, destaca Ricardo.

“O reconhecimento do Prêmio efinance, pelo sexto ano consecutivo, expressa a liderança do Sicoob na adoção de tecnologias e canais digitais inovadores no sistema financeiro. O objetivo das novas tecnologias é utilizar os recursos disponíveis em cada dispositivo sempre com foco na melhoria da experiência do usuário”, completa.

Sicoob é parceiro em projeto de compartilhamento de bicicletas

O Sicoob ES é parceiro da Prefeitura de Vitória no projeto de compartilhamento de bicicletas que começa a funcionar em maio. O Bike Vitória vai ser integrado por 200 bicicletas para aluguel em 20 pontos da cidade. O sistema funcionará todos os dias, das 6 às 23h, para retirada dos veículos, que poderão ser devolvidos em qualquer horário.

As estações do Bike Vitória serão movidas a energia solar, e vão ser instaladas nos eixos Camburi-Praia do Canto e São Pedro-Centro, com dez pontos de aluguel em cada uma. Inicialmente, vão funcionar cinco estações e 50 bicicletas. As demais serão disponibilizadas até julho deste ano.

As bicicletas são de fabricação 100% nacional, pesam em torno de 16 quilos, têm quadro em alumínio, três marchas, selins com altura regulável, guidão emborrachado, acessórios de sinalização e sistema de identificação e trava eletrônica.

Como vai funcionar

Um aplicativo poderá ser baixado pelas pessoas interessadas em usar as bicicletas integradas ao Bike Vitória. Também será possível acessar pela internet o site do projeto, que será lançado até a inauguração.

Após fazer o cadastro, informar os dados do cartão de crédito e realizar o pagamento, o ciclista estará habilitado a usar o sistema. A contratação também poderá ser feita por telefone. Serão disponibilizados três tipos de passe para o aluguel da bicicleta: diário (R$ 5,40), mensal (R$ 10,80) e anual (R$ 67,50).

De segunda-feira a sábado, a pessoa pode alugar a bicicleta e usar até 60 minutos. Depois disso, se quiser usar mais, deve devolver a bicicleta em uma estação, esperar 15 minutos e pegar novamente, sem pagar nada a mais.

Aos domingos e feriados o aluguel também funciona assim, mas os usuários podem ficar com a bicicleta por mais tempo antes de procurar uma estação: 90 minutos.

Segurança e manutenção

Todas as bicicletas do sistema serão monitoradas por uma Central de Atendimento, através de um chip de localização. De acordo com a Samba Transportes Sustentáveis, com o chip é possível detectar movimentos de furto na estação e, através do cadastro prévio feito usuário, a Central pode monitorar eventuais roubos durante a utilização.

A Central também organiza a distribuição das bicicletas e reposição nas estações. Também está prevista a instalação de uma oficina de manutenção na cidade, para a montagem e recuperação dos equipamentos.

Estações já definidas

1. Orla de Camburi, em frente à avenida Adalberto Simão Nader, na Mata da Praia;

2. Orla de Camburi, em frente à rua Aristóbolo Barbosa, em Jardim da Penha (próximo ao Sicoob);

3. Orla de Camburi, em frente à rua Eugenílio Ramos, em Jardim da Penha;

4. Quadra entre as ruas Manoel Gonçalves e João da Cruz, na Praia do Canto (próximo a Unimed);

5. Praça dos Namorados

Cooperativas de crédito crescem mais rápido que bancos em 2015

Alta capilaridade e taxas mais competitivas num momento de juros em níveis recordes impulsionaram crescimento

As cooperativas de crédito brasileiras tiveram crescimento dos financiamentos em ritmo superior ao do sistema bancário do país em 2015, aproveitando-se da alta capilaridade e da oferta de taxas mais competitivas num momento de juros em níveis recordes.

Maior do país no setor, com cerca de 3,2 milhões de sócios, o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) fechou o ano passado com R$ 34,7 bilhões em crédito, alta de 9,2% ante 2014. Também com mais de 3 milhões de cooperados, o Sicredi viu sua carteira subir 8,1% no período, a R$ 30,6 bilhões.

O estoque de crédito do sistema financeiro do país subiu 6,6% em 2015, pior evolução da série histórica iniciada em 2007 pelo Banco Central. Se considerado apenas o crédito livre, que desconsidera os financiamentos direcionados, como para habitação e rural, o avanço foi ainda menor, de 3,7%.

Dado o relacionamento mais próximo com os tomadores em relação ao que ocorre na média do setor bancário, as cooperativas também têm conseguido manter níveis de calotes inferiores aos dos bancos de varejo, embora também tenham piorado com a recessão do país.

No Sicoob, o índice de inadimplência acima de 90 dias, subiu de 1,7% para 2,5% no ano passado. No Sicredi, o índice passou de 1,99% para 2,4%. A média do sistema financeiro do país era de 3,4% no fim de 2015.

Diante da retração no setor bancário, as cooperativas estão aproveitando para expandir a oferta de serviços financeiros, incluindo cartões de crédito, consórcios, previdência e seguros.

Mesmo em caderneta de poupança, Sicoob e Sicredi conseguiram captação positiva no ano passado, na contramão do mercado.

Segundo o presidente do Sicoob, Henrique Castilhano Vilares, esses números podem revelar que as cooperativas têm conseguido um relacionamento mais próximo e personalizado com os tomadores de crédito e serviços financeiros do que os bancos.

"Diferente das instituições financeiras convencionais, os resultados das cooperativas retornam para o associado", disse Vilares em documento enviado à Reuters. O Sicoob se apresenta como a sétima maior instituição financeira do país, com um patrimônio líquido de R$ 13,88 bilhões.

Fonte: Por Aluísio Alves – Reuters
JoomShaper